Postura // Compostura

Wednesday, 1 February 2017

Aqui há uns dias, ao ler um artigo da Leandra Medine (do super known Man Repeller) sobre a sua experiência (e evolução!!) com o yoga - podem lê-lo vocês também em http://www.manrepeller.com/2017/01/30-day-yoga-challenge-results.html -, dei por mim a pensar que tinha que "escrevinhar" algo sobre o assunto...



(Imagem via Man Repeller)


A minha relação com a modalidade não é muito antiga, e não foi de todo pacífica. A minha mãe - Né para os amigos 💕 - já está neste registo há, mais coisa menos coisa, trinta anos (!) e, sabendo dos seus inúmeros benefícios, tentava quase desesperadamente levar-me a fazer uma aula experimental. Acedi. Experimentei. Era ainda uma teenager. Odiei! Simplesmente não conseguia fazer nada, doía-me tudo desde a ponta do cabelo à ponta do dedo mindinho. Desisti. Anos se passaram e... nova tentativa! Com uma professora diferente. Lá fiquei e gostei! Até ir para o Brasil viver durante uns tempos. Interrompi. Regressei à base (entenda-se, a este país à beira-mar plantado) e voltei também ao yoga. Fiz durante algum tempo. Quis o destino que o ginásio onde andava na altura, e onde fazia a prática, deixasse de ter. Mais uns tempos sem fazer. Até que...





... voltei "à carga" em Junho do ano passado, estou super dedicada e ADORO! 😍 Neste momento estou a fazer entre três a quatro aulas por semana e noto imeeeeeensas diferenças a nível postural, muscular, respiratório, flexibilidade, de progressão em si... Até o meu corpo está diferente: mais modelado, torneado e tonificado. Por isso, quem acha que praticar yoga é só ficar sentado, parado, a meditar e a entoar cânticos, num ambiente quentinho e a "média luz" desengane-se. Isto não é para fraquinhos!



(Imagem via Instagram Filipa Veiga: @filveigayoga)


Também não é uma seita, nem uma filosofia de vida fundamentalista. Quer dizer, a verdade é que poderá haver um pouco essas correntes mais exacerbadas (como em várias coisas na vida...), mas penso que a chave do sucesso (e da nossa sanidade mental) está no equilíbrio e em ter os "pratos da balança" bem alinhados a nosso favor. O segredo é descobrirmos aquilo que nos faz bem e nos deixa mais felizes, sendo que esta é uma das minhas ferramentas para conseguir isso.

Por isso, a quem me pergunta qual a variante que pratico, deixo o nome e uma breve definição: 


Hatha Yoga
É o estilo de yoga mais popular no Ocidente, foca-se na saúde do organismo, sem tanto aprofundamento filosófico e gerou dezenas de ramificações e estilos em todo o mundo. O objectivo é trabalhar mente e espírito através do corpo, combinando asanas (posturas físicas) e pranayamas (exercícios respiratórios), que são realizados vagarosamente e com uma permanência maior em cada posição. Dependendo do professor, alguns deixam a prática mais leve - com movimentos mais lentos e suaves -, enquanto outros puxam mais pela força e alongamento. É uma actividade calma, que favorece a introspecção, sendo que todas as aulas terminam com o relaxamento (yoganidra), de cinco a dez minutos. A quem se destina? A pessoas que procuram um exercício relaxante para atenuar o stress do dia-a-dia, e tonificar o corpo. Benefícios? Melhora o condicionamento físico, força e flexibilidade, além da saúde em geral. Ajuda também, a aumentar a capacidade de concentração.

Aproveito para agradecer à professora Sandra e dizer que, mesmo que não consiga perder o medo de fazer o pino 🙈, é para continuar! 👊

Namastê! ♥



(Imagem via Man Repeller)

















GuardarGuardar

No comments:

Post a comment